segunda-feira, maio 15, 2017

Aspectos Botânicos e Ecológicos em comunidades da Chapada Diamantina


O Livro Aspectos Botânicos e Ecológicos em comunidades da Chapada Diamantina, publicado em 2016, é fruto de um trabalho de seis anos, organizado por Cezar Neubert Gonçalves - Analista Ambiental e Cristiane Freitas de Azevêdo Gonçalves – Bióloga, que contaram com a participação de instituições parceiras através de pesquisadores e estagiários.

O estudo tem como finalidade produzir conhecimento específico sobre os aspectos Botânicos e Ecológicos, abrangendo aspectos socioambientais de algumas comunidades tradicionais localizadas no interior do Parque.

É importante ressaltar que os esforços em conjunto e a contribuição em investimento da Instituição Gestora do Parque Nacional da Chapada Diamantina (PNCD), o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), viabilizaram a realização do trabalho que levantou informações nas comunidades do Vale do Pati, entre Mucugê e Andaraí, e Garapa-Roncador, no município de Andaraí, dentro do Parque, além  da comunidade quilombola do Corcovado, em Palmeiras, que se encontra no entorno do Parque, de modo a subsidiar as ações da gestão nestas áreas pertencentes a unidade de conservação ( UC).

Acesse o conteúdo deste livro  na página mapas e downloads.

quarta-feira, abril 19, 2017

Seleção de Brigadistas 2017

Do dia 24 de abril à 5 de maio estarão abertas as inscrições para os cursos de brigadistas do ICMBio/ Parque Nacional da Chapada Diamantina. Serão realizadas duas edições, uma em Ibicoara no período de 15 a 19 de maio e outra em Palmeiras no período de 22 a 26 de maio. Para os candidatos a chefe de brigada haverá uma prova de direção no dia 29 em Palmeiras.
O curso irá formar brigadistas e também selecionar os integrantes da brigada do Parque Nacional no ano de 2017/2018. Os interessados devem ter mais de 18 anos, não ter trabalhado para o ICMBio ou IBAMA-Prevfogo nos últimos 3 anos (depois de 2014).
As inscrições podem ser feitas presencialmente na sede do Parque Nacional da Chapada Diamantina em Palmeiras ou pelos telefones (75)3332-2310/(75)3332-2418.
Confira o edital em http://migre.me/wsR5i



terça-feira, março 21, 2017

CONPARNA – CD REALIZA PRIMEIRA REUNIÃO DO ANO

Fotos no sentido horário: Martin Obermaier, pesquisador da UFRJ; Branca Pires, da Flora Comunicação; plenária. Crédito: Neto Bomfim e ICMBio
    O Conselho do Parque Nacional da Chapada Diamantina (CONPARNA - CD) realizou sua primeira reunião do ano na comunidade do Guiné, na última sexta-feira (17.03). O evento, que contou com a participação de mais de 50 convidados entre gestores públicos, universidade e representantes das comunidades, teve como principal temática os impactos da crise climática nos recursos hídricos da Chapada Diamantina.
   O pesquisador Martin Obermaier, da COPPE/UFRJ, apresentou dados sobre o avanço do aquecimento global no semiárido nordestino, com consequências perversas para o Parque Nacional. “A região está entre as quatro do mundo que mais se aqueceram no último século. Foram 2ºC a mais, e se não houver mudanças profundas, a região pode sofrer um aumento de até 4ºC nos próximos anos”, alerta o estudioso. Como alternativa para a crise, ele sugere que o Parque Nacional construa um diálogo mais próximo das comunidades, para que construam juntos alternativas de convivência com o problema e suas consequências.
   Além do debate sobre as mudanças climáticas, os conselheiros do Parque Nacional da Chapada Diamantina realizaram os planejamentos dos seus grupos de trabalho e discutiram a elaboração de uma proposta de sinalização das principais vias turísticas, como a trilha para a Cachoeira da Fumaça.

quarta-feira, dezembro 28, 2016

Parque Nacional da Chapada Diamantina realiza campanha de fim de ano no Pati


Posto de informações no início da trilha Guiné-Pati 
   No período de 27 de dezembro a 03 de janeiro o Parque Nacional da Chapada Diamantina está realizando uma campanha de monitoramento e sensibilização no Vale do Pati. Os objetivos da atividade são a contagem de visitantes e orientação sobre os temas acampamentos, fogueiras, lixo e "ida ao banheiro".                              Para isto um posto de informações foi instalado no início da trilha Guiné-Pati, placas informativas estão sendo instaladas nas trilhas do Vale do Pati e uma equipe de 4 brigadistas está realizando rondas.                                                                        Confira as dicas para conhecer o Vale do Pati cuidando do Parque Nacional:
Placa Informativa
Não faça fogueiras: Fogueiras são prejudiciais à natureza e proibidas em todo Parque Nacional. Utilize um fogareiro para cozinhar.                              Leve seu lixo de volta: o lixo não volta sozinho! Carregue seu lixo com você até encontrar uma lixeira fora do Parque Nacional.                          Para ir ao banheiro: evacue a pelo menos 60 metros de qualquer fonte de água e trilhas. Enterre o papel higiênico junto com as fezes.       Acampamentos: Utilize os acampamentos da Igrejinha, Escolinha, Prefeitura e proximidades das casas dos moradores. Evite acampar na beira de rios, cavernas ou criar novos acampamentos.
   A campanha foi idealizada pelo Grupo Temático de Visitação do CONPARNA-CD (Conselho Consultivo do Parque Nacional da Chapada Diamantina) e conta com a parceria da ASCOPA (Associação da Comunidade do Pati), Associação da Comunidade da Campina, Bocapio Comunicação & Tecnologia e Projeto Gaya.

quarta-feira, agosto 31, 2016

Conselho do Parque Nacional inicia plano de prevenção a incêndios florestais

Ações envolvem monitoramento, educação ambiental e arrecadação de equipamentos

 

Os graves incêndios florestais que atingiram a Chapada Diamantina em 2015 foram cenas que ninguém quer assistir novamente. Ao todo, foram 60 dias de combate e 312,5 km² (31.250 ha) de área do Parque Nacional da Chapada Diamantina (PNCD) queimada. Isso sem falar nas áreas do entorno do Parque. A destruição de espécies raras, endêmicas e ameaçadas, além do impacto sobre as nascentes da bacia do Rio Paraguaçu , uma das mais importantes bacias hidrográficas da Bahia, foram as principais consequências dos incêndios. 

A grandiosidade do PNCD (1.520 km²), o relevo acidentado, as condições climáticas severas na época da seca, a alta velocidade de propagação dos incêndios e a dificuldade de comunicação são alguns dos agravantes que tornam os combates na região extremamente complexos e arriscados. Levando tudo isto em consideração e a proximidade do período de estiagem (setembro a dezembro), foi definido pelo Conselho do Parque Nacional da Chapada Diamantina (CONPARNA-CD) que as ações de prevenção a incêndios são a prioridade para este semestre.
Divisão de ações é definida em reunião do Conselho | Foto: Divulgação
Divisão de ações é definida em reunião do Conselho | Foto: Divulgação

Formado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), órgão gestor do PNCD; Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema); sociedade civil; empresários; entidades públicas, universidades, entre outros, o Conselho foi dividido em subgrupos que  ficarão responsáveis por diferentes temas, como: Educação ambiental, treinamento, infraestrutura, fiscalização/monitoramento e articulação institucional. Soraya Fernandes Martins, atual chefe do PNCD, ressalta que o engajamento da população local e das instâncias públicas e privadas é fundamental para o desenvolvimento e eficácia das ações: “entendemos que nenhuma instituição isolada poderá dar conta do desafio. O trabalho exige uma série de medidas por parte dos governos municipais, estadual, federal e sociedade civil.”

Conheça algumas medidas tomadas pelo ICMBio, CONPARNA-CD e instituições parceiras para a temporada de 2016:

Monitoramento

Os mirantes são importantes ferramentas para a detecção de focos de incêndios florestais, determinando sua localidade e definição da estratégia de combate. Para este ano, serão operados seis mirantes na região do Parque Nacional: três mirantes pelo ICMBio, em Batávia (Ibicoara), no Guiné e Capa Bode (Mucugê); um pelo Prevfogo/Ibama, em Rosely Nunes (Itaetê); um em Tanquinho (Lençóis), pelo Corpo de Bombeiros e um pela Brigada de Resgate Ambiental  de Lençóis (BRAL), na torre de Lençóis.

Segundo o Major BM Vianey, do Corpo de Bombeiros Militares, está em processo de licitação, pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema), um helicóptero para rondas diárias de 2 horas nas áreas de risco. Ele acrescenta que há inclusive a indicação de recurso para atender essa demanda. “Como estes processos de editais dependem de muitas questões, ainda não posso dizer com precisão qual será o inicio de execução, mas a Diretoria Financeira da Sema está dando andamento ao processo”, explica.

Combate
Brigadistas posam ao lado do piloto Adonis Lopes | Foto: Divulgação
Brigadistas posam ao lado do piloto Adonis Lopes em 2015| Foto: Divulgação

A atuação dos brigadistas é fundamental para o sucesso do combate aos incêndios. A região do Parque Nacional conta com aproximadamente 200 brigadistas voluntários e 42 contratados por um período de seis meses. No mês de maio deste ano, o ICMBio realizou a formação de brigadistas voluntários e a contratação da Brigada do Parque Nacional. Foram capacitadas 92 pessoas em dois cursos, realizados em Palmeiras e Ibicoara. Para atuar como brigadista voluntário é necessário ter mais de 18 anos e possuir curso de formação.

Para que os combates sejam eficazes, os brigadistas necessitam de uma série de equipamentos e insumos, como: bombas costais; abafadores; ferramentas para aceiro; Equipamentos de Proteção Individual (EPIs); equipamentos de comunicação, que são as principais necessidades atualmente; combustível; alimentação adequada; medicamentos; entre outros. Diante da carência de alguns materiais, o CONPARNA-CD criou uma plano de arrecadação de equipamentos que possibilitará que empresas interessadas possam contribuir. Vale ressaltar que a campanha realizada pela Brigada de Resgate Ambiental de Lençóis (BRAL) no último ano teve um resultado bastante satisfatório. Foram mais de 900 doações, durante dois meses de campanha, com a arrecadação de R$ 77 mil,  investidos na construção da nova sede da brigada e na compra de equipamentos. “Para se ter uma ideia da importância das doações e da mobilização popular, apesar de todas as dificuldades, conseguimos, juntamente com as outras brigadas da região, que todos os focos de incêndios localizados dentro do Parque fossem debelados antes das chuvas de janeiro”, afirma Diego Serrano, representante da BRAL no Conselho Municipal de Meio Ambiente.

O excedente de doações (alimentos, equipamentos, EPIs, etc) foram integralmente repassados às outras brigadas municipais, igualmente comprometidas com a defesa do meio ambiente, como: Vale do Capão, Seabra, Mucugê, Campos do São João, Rumo e Baixão da Colônia (Itaetê).
Brigadistas em combate com o auxílio de helicóptero | Foto: Açony Santos
Brigadistas em combate com o auxílio de helicóptero | Foto: Açony Santos
Educação Ambiental

A maioria dos incêndios florestais na região é causada pelo homem, seja por práticas indevidas da pecuária, agricultura e caça; pelo descuido de turistas ou pelo simples objetivo de causar incêndios. Fenômenos naturais, com focos iniciados por raios existem, mas eles são relativamente pouco frequentes. Com o intuito de diminuir e até extinguir estas práticas nos próximos anos serão desenvolvidos diversos projetos de educação ambiental na região, como: cartilhas informativas, palestras nas escolas, cartazes e programas de rádio.

“A educação ambiental é um dos pilares do Plano de Prevenção a incêndios florestais. É consenso também que uma comunicação sensível, clara e ilustrativa é capaz de causar modificações sociais e culturais. Por isso, a campanha vem informar a importância de todos zelarem pelas nossas matas e nascentes, a fim de mantermos o ambiente propício para a sobrevivência de todos”, comenta Margareth Branca Pires, diretora da Flora Comunicação, empresa membro do CONPARNA-CD, prestadora voluntária de assessoria de comunicação ao Conselho e que desenvolverá o design, a elaboração e a divulgação da campanha.

De acordo com Tatiana Portela, Secretária de Turismo de Ibicoara, o município já iniciou algumas ações de educação ambiental, como: mensagens educativas em carros de som, distribuição de panfletos informativos e palestras nas zonas rurais. “Estamos priorizando as comunidades onde tiveram o maior número de focos de incêndios provocados pelo mau uso do fogo pelo agricultor. Estamos também capacitando brigadistas comunitários para atuarem especificamente nestas regiões”, comenta.

Sobre o Conselho

O CONPARNA-CD possui 15 anos de atuação e acaba de ter sua composição renovada. Constitui-se numa instância de participação na gestão do Parque Nacional da Chapada Diamantina, tendo representações de comunidades, associações, brigadas de incêndio, universidades, prefeituras e outros órgãos públicos. Realiza quatro reuniões por ano em caráter itinerante. Suas reuniões são abertas ao público.

Mais informações: conparna.cd@gmail.com

terça-feira, agosto 30, 2016

Planejamento da temporada de incêndios no Parque Nacional da na Chapada Diamantina é discutido em evento participativo



Representantes de brigadas voluntárias discutem estratégias para a temporada de incêndios

Mais de 350 pessoas estão diretamente envolvidas nas ações de prevenção e combate a incêndios na região do Parque Nacional da Chapada Diamantina em 2016. “Só de brigadistas voluntários, mapeamos mais 200 combatentes preparados na região”, informa Pablo Casella, analista ambiental do Parque Nacional. O levantamento é um dos resultados da reunião de elaboração do Plano de Monitoramento e Combate aos Incêndios no Parque Nacional da Chapada Diamantina, que aconteceu nesta terça-feira (23), em Palmeiras.  

O evento reuniu cerca de 30 representantes de entidades governamentais e da sociedade civil, que definiram as estratégias, prioridades e procedimentos para o combate a incêndios no Parque Nacional da Chapada Diamantina e entorno. A preparação para a nova temporada de estiagens identificou no Parque Nacional 20 áreas críticas com risco de incêndios, definiu a instalação e funcionamento de 05 mirantes e mapeou os equipamentos e recursos disponíveis em situações de emergência.

Para Soraya Martins, gestora do Parque, o evento serviu para fazer um planejamento coeso e de fácil execução. “Os combates aos incêndios no Parque Nacional geralmente envolvem diversas instituições. É muito importante sermos pé-no-chão, conhecermos os recursos que se encontram disponíveis neste momento e definirmos as funções de cada organização em situações de emergência”, assegura a gestora. O INEMA, por exemplo, está disponibilizando 08 fiscais, 04 deles peritos, para intensificar as ações de fiscalização nas zonas de maior perigo. “A ideia é inibir as práticas de fogo na agricultura, e fazer várias atividades de educação ambiental nas escolas locais para mobilizar as comunidades”, afirma Simone Alcântara, representante do órgão estadual.

Brigadas e Prefeituras comprometidas

A grande novidade foi a organização das diferentes instituições segundo o método Sistema de Comando de Incidentes (SCI). Para Ana Maria Canut, do PrevFogo/IBAMA, a definição de um comando composto por integrantes das entidades que atuam em um incêndio e dos procedimentos básicos a serem seguidos pelos grupos em uma situação crítica significa uma mudança de cultura. Joás Brandão, do Grupo Ambientalista de Palmeiras (GAP), concorda: “Antes o fogo chegava e não tinha comunicação. Ninguém sabia o que o outro estava fazendo e isto dificultava o trabalho de todo mundo”. 

O representante da Secretaria de Meio Ambiente de Ibicoara, Janú Xavier, concorda. “Com uma maior articulação, a gente consegue que as prefeituras se planejem para disponibilizar veículos, apoio de carros-pipa ou alimentação. Dá pra ter uma ação mais coordenada”.

Considerando a necessidade de maior articulação inter-institucional, os participantes reclamaram da ausência do Corpo de Bombeiros, que já havia confirmado presença. Rogério Mucugê, da Conservação Internacional, lamenta a ausência do órgão. “Sentimos falta da representação do Corpo de Bombeiros. Eles são fundamentais em qualquer ação de planejamento e combate ao fogo e devem estar integrados nessa estratégia que definimos aqui”, completa.

O evento terminou em clima de integração e otimismo. Segundo Soraya Martins, “todos que participaram do evento expressaram, de alguma forma, seu engajamento na defesa desse patrimônio ambiental inestimável que é a Chapada Diamantina!”

segunda-feira, julho 25, 2016

CONCLUÍDA A MANUTENÇÃO DA RAMPA DA RUINHA


Fotos da manutenção da rampa da ruinha. Crédito: ICMBio
       A rampa da ruinha, na trilha de acesso ao Vale do Pati a partir do Guiné, teve as obras de manutenção concluídas no dia de ontem e está aberta a visitação.

      A trilha estava interditada desde o dia 04 de julho para a construção de dois trechos de calçamento em áreas que estavam muito íngremes e inseguras para a visitação. As obras foram realizadas com pedras, mesclando-se técnicas tradicionais e contemporâneas de construção, mantendo a rusticidade da trilha e a integração com o meio natural.

       Mesmo com o término das obras o ICMBio recomenda que o acesso ao Vale do Pati seja realizado pela trilha do Arrodeio, que possui menor declividade e condições para receber maior número de visitantes.

          A manutenção da rampa da Ruinha foi fruto da parceria entre a Associação da Comunidade do Pati (ASCOPA), Prefeitura Municipal de Mucugê e Parque Nacional da Chapada Diamantina.



segunda-feira, julho 18, 2016

CONPARNA-CD discute atuação na prevenção de incêndios na região do Parque Nacional

No sentido horário: Soraya Martins, chefe do PNCD; Paulo Sérgio Menezes, conselheiro da Defesa Civil; trabalho de grupo para definição de plano de ação do CONPARNA-CD; discussão sobre modelo de propagação dos incêndios florestais.
          No último dia 15 de julho ocorreu na sede do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Ibicoara a  55a reunião ordinária do Conselho Consultivo do Parque Nacional da Chapada Diamantina (CONPARNA-CD).

          Nas últimas duas reuniões do CONPARNA-CD os conselheiros levantaram uma série de temas para serem discutidos no período de 2016-2018. O tema elencado como de maior prioridade foi a prevenção de incêndios, assunto que foi o foco principal das discussões do último dia 15.

          Inicialmente a equipe do Parna Chapada Diamantina apresentou suas ações de planejamento e recursos disponíveis para a próxima temporada de incêndios. A seguir o conselho, aproveitando a presença de representantes de brigadas voluntárias, bombeiros, defesa civil e diversas entidades que de alguma forma estiveram envolvidas nas ações de combate a incêndio, realizou uma avaliação sobre a última temporada de incêndios.

           Na sequência foram levantadas diversas ações de prevenção a serem implantadas antes da próxima temporada, como por exemplo a produção de vinhetas para rádios e cartilhas informativas, o treinamento conjunto das instituições que atuam diretamente no combate a incêndios e aquisição de equipamentos. Os conselheiros que se voluntariaram para apoiar algumas das ações iniciaram na reunião sua articulação e planejamento.  A próxima reunião do CONPARNA-CD será realizada no dia 25 de agosto em Andaraí e dará seguimento a este plano de trabalho.

            O CONPARNA-CD possui 15 anos de atuação e acaba de ter sua composição renovada. Constitui-se numa instância de participação na gestão do Parque Nacional da Chapada Diamantina, tendo representações de comunidades, associações, brigadas de incêndio, universidades, prefeituras e outros órgãos públicos. Realiza quatro reuniões por ano em caráter itinerante. Suas reuniões são abertas ao público.


terça-feira, fevereiro 23, 2016

Resultado do Concurso Fotográfico: “Parque Nacional da Chapada Diamantina: 30 anos todo nosso”

      Foram cerca de 240 fotos encaminhadas para o Concurso Fotográfico “Parque Nacional da Chapada Diamantina: 30 anos todo nosso”. A comissão julgadora foi formada por três servidores do ICMBio com experiência em fotografia. Rubens Matsushita e Aurelice Vasconcelos avaliaram as fotos nas categorias Flora, Cultura e Paisagem e Luciano Malanski selecionou as fotos da categoria Fauna. As 14 fotos vencedoras do concurso contemplaram as três melhores fotos das categoria Flora, Fauna e Cultura e as cinco melhores fotos da categoria Paisagem. Confira abaixo lista dos vencedores do concurso e um mosaico das belas fotografias selecionadas:



    A equipe do Parque Nacional agradece a participação de todos que se inscreveram no concurso fotográfico. As fotos selecionadas irão compor um calendário comemorativo dos 30 anos do Parque Nacional da Chapada Diamantina.




quarta-feira, dezembro 30, 2015

Incêndios no Parque Nacional da Chapada Diamantina são controlados e a visitação ocorre normalmente


 
Foto: Região do córrego Muriçoca, município de Lençóis.
    No mês de dezembro o Parque Nacional da Chapada Diamantina foi acometido por incêndios na região da cachoeira da Fumaça-município de Palmeiras, Gruta do Lapão-município de Lençóis, cachoeiras Fumacinha e Véu de Noiva, ambas acessadas pelo município de Ibicoara.

    Os incêndios no Parque Nacional encontram-se controlados desde o dia 21. A partir desta data iniciou-se uma fase de monitoramento e extinção, que pode levar de semanas a meses para ser concluída. “Em condições normais a fase de extinção de um incêndio no Parque Nacional ocorre em cerca de 3 dias. Nas condições atuais de altas temperaturas e ausência de chuvas observamos reignições mesmo uma semana depois dos incêndios serem debelados” afirma Anivaldo Chaves, analista ambiental do ICMBio.

     Com frequência vêm ocorrendo reignições  na região do Machobongo-Mucugê/Ibicoara e Morro Branco-Palmeiras, que são prontamente debeladas pelas equipes de brigadistas e bombeiros que permanecem mobilizadas na região do Parque Nacional.

    A visitação está ocorrendo normalmente em todas as trilhas e atrativos do Parque Nacional da Chapada Diamantina.